Local

Projetos do Brasil

O projeto local de “Comunidades e bens comuns” no Brasil começa com um forte olhar para ações existentes em espaços urbanos densos, e muitas vezes carentes de recursos básicos – como fornecimento de água potável e coleta de resíduos – porém abundantes em soluções exemplares que impulsionam o fluxo da vida a partir da coletividade e da resiliência.

Entendemos a relevância de expor as boas soluções e práticas existentes, assim como a importância de facilitar conexões que possam ampliar algumas dessas ações, ou que possibilitem novos projetos e ações.

Para isso, além de convidarmos atores locais que participam de ações nos bairros que escolhemos, convidamos especialistas de diversas áreas de conhecimento – arquitetos, antropólogos, sociólogos, historiadores, artistas e engenheiros – para diálogos e intercâmbios sobre novas práticas, estratégias, projetos e ferramentas. Contamos com a participação de atuantes no meio acadêmico, no corpo técnico das diferentes esferas do poder público, em iniciativas privadas, ou do terceiro setor, a fim de criar uma interlocução transdisciplinar que auxilie na sistematização dos processos.

A intenção é que essas conexões e trocas de experiências e de saberes distintos estimulem novas iniciativas socialmente construtivas, e que estas, por sua vez, tenham a possibilidade de se tornarem objetos de registro abertamente disponibilizados, ampliando tanto o acervo quanto as possibilidades de mais conexões e iniciativas.

Guto Santos
Arquiteto e Urbanista

Arquiteto e urbanista (FAU-UFRJ), pós-graduação pela Universitat Politècnica de Catalunya em Barcelona, mestrado em arquitetura paisagística (PROURB-UFRJ). Guto tem atuado bastante em processos participativos de ativismo urbano, como o coletivo Baixo Rio que criou em 2017. Foi coordenador de projetos de engenharia e arquitetura e superintendente na Secretaria Estadual de Infraestrutura e Obras do Governo do RJ, e hoje está à frente da coordenação geral do congresso UIA2021RIO.

Rio de Janeiro, Brasil

Cidade Comida

"Você tem fome de quê?" Na década de 1980 essa pergunta ficou famosa no Brasil a partir da canção de nome Comida, da banda de Rock Titãs. E a letra seguia: “A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte...”. Quatro décadas depois e ainda é isso que “a gente quer”.

Juiz de Fora, Brazil

Praia

“PRAIA é uma provocação, uma delícia, um relax merecido...” explica Leticia Nabuco, idealizadora, diretora e performer, junto a muitos outros artistas e cidadãos comuns, nessa ação que tem o centro da cidade de Juiz de Fora como palco, cenário e corpo provocante para a ação. “... nos interessamos por usar e abusar do que chamamos de estado de praia, e celebrar, com alegria, a beleza de todos os corpos”, completa a diretora.

Rio de Janeiro, Brasil

Vale Encantado

A comunidade rural, no coração da floresta, no centro da metrópole do Rio de Janeiro, que optou por tornar-se um modelo ecológico de autogestão.

Rio de Janeiro, Brasil

Mão na Jaca

Educação socioambiental, gastronomia, alimento e renda.

Rio de Janeiro, Brasil

Mapa-Muro

Mapa-Muro é a intervenção em uma parede externa/muro/ fachada localizada em favela, na sede de algum projeto social, ONG ou instituição. Esta intervenção foi concebida em 2018 pelo SOAR Estúdio, um coletivo de arquitetas periféricas, e consiste na reprodução do mapa da favela onde o projeto é executado, a partir de um mosaico de cacos de tijolo e de azulejos, complementado por trechos em tinta e massa pigmentada.

Rio de Janeiro, Brasil

Cidade Água

A versão brasileira do projeto Commons & Communities traz como eixo central a cidade. Cidade como plataforma para o desenvolvimento possível de comunidades e de seus bens comuns. Cidade não apenas como território geopolítico de dimensões públicas e privadas, mas como um corpo coletivo, uma manifestação concreta das dinâmicas harmônicas ou desarmônicas das comunidades coabitantes. Esse eixo central se desdobra em três conceitos associativos: Cidade Água, Cidade Comida e Cidade Bem Viver.

Rio de Janeiro, Brasil

Monumentos Vivos do Vidigal

Em meio a um dos maiores racionamentos de água que o Rio de Janeiro já enfrentou, nasceu o telhado verde piloto da cidade, no morro do Vidigal, inspirando a cidade maravilhosa ao alinhamento com a “agenda mundial de desenvolvimento sustentável e do clima”, e também, com a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) em índice mínimo de área verde por habitante na área urbana.

plugins premium WordPress
COMPARTILHE