A Exposição

Comunidades & Bens Comuns

Como a arte pode impulsionar a construção do sentido de comunidade? Como a arte pode capacitar as comunidades? E mais crucialmente: como a arte, a arquitetura e o design podem responder aos desafios que nossas comunidades enfrentam hoje?

Com esta exposição, buscamos respostas. Artistas e arquitetos, sociólogos e urbanistas, teóricos e praticantes de todas as disciplinas exploram novos projetos, estratégias e ferramentas para entender e fazer bom uso dos bens, valores, lugares e espaços comuns que compartilhamos.

FATOS
BENS COMUNS

terra ou recursos pertencentes a uma comunidade

COMUNIDADE

um grupo de pessoas que vive em um lugar

Commoning (Práticas de compartilhamento)

Práticas que provêm direitos comuns ao uso da terra

Hoje, a questão de como preservar e lidar com nossos recursos comuns está se tornando cada vez mais urgente. A mudança climática, o crescimento populacional, a mineração financeira de recursos “flutuantes” ou compartilhados e as mudanças na economia e na produção não apenas estão alterando nossos recursos comuns, mas também as premissas sobre as quais nossas comunidades se baseiam.

Todos os dias, compartilhamos múltiplos recursos. Como humanos, compartilhamos recursos naturais como o ar que respiramos e a água que bebemos. Como moradores de cidades, grandes e pequenas, compartilhamos espaços abertos e interespaços, arquitetura, parques, praças e ruas. Todos esses recursos são compartilhados por uma comunidade, formando os “bens comuns”.

No entanto, em virtude de sua natureza, esses recursos comuns podem ser destruídos, abusados, mal utilizados e usados em excesso se nós, que compartilhamos esses recursos, negligenciarmos seu desenvolvimento e sua preservação para o futuro. Se não houver cuidado, um uso responsável, eles decaem – às custas das próprias comunidades. Finalmente, a natureza desses recursos comuns nos confronta com uma pergunta desconfortável: quem tem acesso aos nossos recursos “comuns” – será que realmente são comuns a todos?

Por outro lado, há elementos fundamentais que temos em comum em nossa sociedade, elementos que não diminuem quando são usados e que até crescem quando são compartilhados: a arte e a cultura. A arte e a cultura – assim como o conhecimento – não são exclusivas, a menos que isso seja imposto por nós. A arte e o conhecimento simplesmente florescem e se expandem quanto mais nós, como comunidade, compartilhamos e participamos deles, fazendo um esforço para torná-los inclusivos. Esta é uma tarefa pertinente e importante para a arte, a arquitetura e o design.

“A arte e o conhecimento simplesmente florescem e se expandem quanto mais nós, como comunidade, compartilhamos e participamos deles”

2018_Ellen_Braae_SH
Ellen Braae
Arquiteta

Professora de Teoria e Método de Arquitetura Paisagística na Universidade de Copenhague. Presidente do Comitê Dinamarquês de Arquitetura das Fundações de Arte. Preside o grupo de pesquisa ‘Arquitetura paisagística e urbanismo’. Sua pesquisa atual se concentra em “paisagens de bem-estar” e no papel do espaço público. É autora de “Beauty Redeemed: Recycling Post-Industrial Landscapes” (2015) e do Routledge Research Companion to Landscape Architecture (com H. Steiner, 2018).

Comunidades & Bens Comuns

A questão dos bens comuns e das comunidades e sua relação interdependente pode parecer simples – em certo sentido, quase corriqueira - quando vista pelos olhos distantes da abstração teórica. No entanto, o requisito básico para uma comunidade sustentável é o acesso a recursos comuns sustentáveis que possam, de fato, sustentar a comunidade. E vice-versa. A pré-condição para um recurso comum sustentável é uma comunidade forte que seja realmente capaz de preservá-lo e desenvolvê-lo para o futuro.

No entanto, na prática, essa relação é complexa. Ela apresenta uma série de problemas difíceis. O limite potencial dos bens comuns nos confronta com o limite da própria comunidade. Quem consideramos como parte da comunidade? E quem controla o acesso e a gestão de nossos recursos comuns?

Essas questões expõem as dimensões políticas, econômicas e culturais das comunidades e dos bens comuns. Não podemos reduzir isso a uma questão de como projetamos nossas cidades, nossos espaços públicos ou os lugares que habitamos. Devemos desafiar as próprias pré-condições que nos “dão permissão” ou nos limitam a construir nossas cidades e espaços públicos de uma certa forma e produzir arte de uma certa forma.

Novas ideias de como conviver e novas formas de interagir em nossas comunidades podem ser desenvolvidas – através da arte, arquitetura e design. Essas novas ideias podem mostrar o caminho para reformar nossas condições políticas, econômicas e culturais.

Esta exposição, Comunidades e Bens Comuns, indaga se arte, arquitetura e design podem fornecer respostas para alguns dos desafios que enfrentamos atualmente em nossas cidades e comunidades. Vamos conversar e compartilhar ideias e possíveis soluções, de pessoa para pessoa, de comunidade para comunidade, de cidade para cidade, de país para país. E vamos começar bem aqui. Nas Comunidades e Bens Comuns.

A Exposição

A exposição é em si mesma um recurso comum, feito para ser compartilhado e desenvolvido. Ela deriva de uma iniciativa dinamarquesa maior, concebida e promovida pela Fundação Dinamarquesa de Arte | Comitê de Arquitetura 2018-2021 em torno do tema “Comunidades e Bens Comuns”. A iniciativa envolveu a primeira contribuição dinamarquesa para a Bienal de Arquitetura de Chicago 2019, a contribuição dinamarquesa para a Bienal de Arquitetura de Veneza 2021, bem como um programa “Travels and Talk” em 2019 para 30 arquitetos e artistas de Chicago, Detroit e Dinamarca.

A exposição apresenta práticas artísticas e projetos centrados em comunidades e recursos comuns. Ela é composta por elementos em três níveis diferentes: Textos e depoimentos, grandes pesquisas e uma série de pequenos estudos e exemplos, todos focados em projetos e práticas artísticas específicas. Para a exposição foi adotado o formato mais compartilhado globalmente, de papel A, e no fato de que impressoras A3 de alta qualidade se tornaram mais acessíveis. O número de componentes da exposição pode ser aumentado ou diminuído, permitindo que a exposição como um todo encolha ou expanda para se adequar a diferentes espaços expositivos e contextos locais. O mais importante, no entanto, é a capacidade adaptativa da exposição de crescer quanto mais pessoas participam dela. Novas participações locais podem ser adicionadas à série de estudos de pequenos estudos em cada novo lugar que for exibida. Esperamos que a possibilidade de agregar projetos locais permita um diálogo mais aberto e significativo para as comunidades onde a exposição for exibida. Além disso, esperamos que possa ajudar a conectar diferentes comunidades e projetos, acumulando mais conhecimento e novos exemplos de práticas artísticas e projetos que trabalham com comunidades e bens comuns – como um recurso aberto comum crescente em si mesmo.

2018_Ellen_Braae_SH
Ellen Braae
Arquiteta

Professora de Teoria e Método de Arquitetura Paisagística na Universidade de Copenhague. Presidente do Comitê Dinamarquês de Arquitetura das Fundações de Arte. Preside o grupo de pesquisa ‘Arquitetura paisagística e urbanismo’. Sua pesquisa atual se concentra em “paisagens de bem-estar” e no papel do espaço público. É autora de “Beauty Redeemed: Recycling Post-Industrial Landscapes” (2015) e do Routledge Research Companion to Landscape Architecture (com H. Steiner, 2018).

Cidade do Cabo, África do Sul

Práticas Colaborativas para a Justiça Urbana

Aprendendo com o grupo de Mulheres Victoria Mxenge, Cidade do Cabo, África do Sul.

Paris, França e Londres, Reino Unido

R-Urban: Compartilhando Resiliência

A R-Urban envolve uma estratégia de baixo para cima, usando redes de bens comuns e polos de coletivos urbanos para apoiar as práticas de resiliência cívica iniciadas pelo atelier d'architecture autogérée (aaa).

Chicago, EUA

Sweet Water Foundation

O trabalho da Sweet Water Foundation é uma resposta direta ao caos cotidiano das dificuldades econômicas, da violência, da pobreza perpétua e do racismo sistêmico que permeia certas comunidades.

Nova Zelândia

Espaço Comum

As práticas de arte sociais muitas vezes trazem novas ideias e práticas, de forma experimental e lúdica, para territórios que vinham flutuando na imaginação pré-pública. Essas práticas incluem a ocupação de terrenos e espaços.

Esbjerg, Dinamarca

Projeto 6705

Tina Ratzer especializou-se em usar oficinas de cores como forma de engajar a comunidade em processos criativos.

Snedsted, Dinamarca

Brincando com Linhas

O artista Thomas Wolsing criou um jardim para os sentidos em um espaço vazio em uma vila em Thy.

Malmö, Suécia

Lokstallarna

Em um dia frio de novembro de 2018, aproximadamente 2.000 pessoas visitaram Lokstallarna em Malmö, Suécia, e puderam curtir um espaço cheio de atividades culturais.

Kolding, Dinamarca

Monumento de Pontos

O Projeto de Arte Social Monumento de Pontos foi criado em 2015 e consiste de vários triângulos de malha, criados por 700 pessoas tricotando lado a lado.

Detroit, EUA

Parque de esculturas Ride It

A Power House Productions é operada por moradores antigos da área de Davison/Conant que veem o “engajamento” com os vizinhos não como uma tarefa adicional, mas como um componente essencial da vida do bairro.

Chicago, EUA

Campo de Repolho

A primeira contribuição dinamarquesa oficial para a Bienal de Arquitetura de Chicago de 2019.

Chicago, EUA

Parque McKinley

O Parque Comunitário de Brincadeiras McKinley é um jardim natural envolvente e inovador, com espaço para brincadeiras, localizado ao lado da Biblioteca McKinley Park, ao sudoeste do centro de Chicago.

Dinamarca

ReDane

Um novo campo?

Memphis, EUA

Parque Tom Lee

O novo Parque Tom Lee transforma um trecho significativo da margem do rio Mississipi, em Memphis, em um espaço público exclusivo onde a vida comunitária pode florescer à beira da água.

Detroit, EUA

Avis + Elsmere

O programa “Inside Southwest Detroit” envolve uma série de projetos que promovem o desenvolvimento da juventude e da comunidade.

Vestervig, Dinamarca

Campo de Escadas

Camilla Nørgård coletou materiais e histórias em cooperação com os moradores e formou uma "paisagem de escadas".

Copenhague, Dinamarca

Black Box Garden

Cultivando um terreno baldio no coração de Copenhague.

Detroit, EUA

Detroit Cultivator

Um terreno de 2,5 hectares que combina a produção de alimentos com atividades culturais e bens cívicos, para fortalecer o tecido social e econômico da comunidade.

Ilhas Brygge, Copenhague, Dinamarca
Unidades de Moradia Empilhada
Aarhus, Dinamarca
Escola Læssøesgade
The World
Fusão de Talentos
Pequim, China
"Dashilar"
Chicago, EUA
Boombox
Aarhus, Dinamarca
GALERIA ONSITE
Copenhague, Dinamarca
"Por Aqui"
Vanløse, Copenhague, Dinamarca
Tagkronen
Dinamarca
Sobre Valorização e Cuidado
Copenhague, Dinamarca
Em Direção à Natureza
Chicago, EUA
Dorchester Art + Housing Collaborative
Roskilde, Dinamarca
Museu de Arte Contemporânea
plugins premium WordPress
COMPARTILHE